Bem antes da Internet aparecer, na minha adolescência, eu mantinha diários escritos à mão, em cadernos e cadernetas.

Creio que naquela época havia algum preconceito, pois na minha lembrança, os diários comercializados, eram agendas femininas com cadeados.

E eu não tinha conhecimento de que garotos mantinham diários.

Mas experimentei e comecei a vomitar os meus pensamentos à vontade.

Na minha opinião, o blog não substitui o diário, pois não me vejo expondo tanta intimidade/particularidade assim, na rede.

O diário, me serviu muito bem, como um instrumento de reflexão.

Escrevia, lia e relia (até anos depois).

Ao reler, sentia graça, vergonha, mudança de opinião, saudade, amadurecimento e arrependimento também.

Foi muito positivo para mim.

Além da reflexão, ajudou na minha ortografia também.

Hoje, já me desfiz dos diários, pois continham muita informação íntima e defasada.

Era valioso para mim, mas para qualquer outra pessoa não teria muita utilidade. Só faria sentido para mim, que vivenciou os fatos e que poderia comparar as mudanças ocorridas desde os relatos.

O problema dos blogs, é que não há tempo de se arrepender ou mudar de opinião… Há uma chance de você ser crucificado, segundos após ter escrito algo.

E o estrago talvez não tenha volta.

Por exemplo, se meus diários vazassem na rede hoje, talvez pessoas próximas ficassem magoadas, por comentários que já não mais correspondem aos meus pensamentos atuais.

Por essa diferença, não acho que os blogs, substituam os diários de fato.

Diria que são apenas scrapbooks, onde só mostram algumas partes que você quer compartilhar…