Estação BikeSampa com 12 bikes mas offline
Aprecio e apóio as iniciativas de melhoria na mobilidade urbana e tal. Deixarei registrada aqui, minha experiência com as bikes emprestadas/alugadas do sistema BikeSampa – aquelas laranjinhas do Itaú.
Sou privilegiado, por morar a uns cinco kilômetros do local de trabalho e ainda com algumas ciclovias pelo caminho.
Há alguns meses, tomei a decisão de não utilizar mais o transporte público (Metrô e ônibus, no meu caso) para me locomover de casa ao trabalho.
Nos primeiros dias fui caminhando. Tirando o tempo, não tive problema algum. Gosto de caminhar.
Como há uma estação #BikeSampa bem frente ao prédio onde trabalho, decidi fazer uns testes.


BikeSampa
É um projeto de sustentabilidade da Prefeitura do São Paulo executado através de Termo de Concessão de Uso da Serttel em parceria com o banco Itaú e as empresas Serttel/Samba.

As bicicletas do BikeSampa estão disponí­veis em estações distribuí­das em pontos estratégicos da cidade, caracterizando-se com uma solução de meio de transporte de pequeno percurso para facilitar o deslocamento das pessoas nos centros urbanos.


– PRIMEIROS PASSOS –

Para começar, você precisa se cadastrar no site deles. É necessário cadastrar um cartão-de-crédito, apenas como garantia e para cobranças de uso que ultrapassem o limite de 1 hora.
Você pode retirar uma bike de 3 formas:

  • Aplicativo para smartphones;
  • Ligando para (11)4003-6055;
  • ou Bilhete Único cadastrado.

Eu sempre utilizo o app para iPhone. Nunca recorri à  ligação para o número telefônico. Cadastrei o meu Bilhete Único, mas tentei utilizar algumas vezes, sem sucesso até hoje.

Uma vez cadastrado, você nâo precisa mais se preocupar com nada, apenas em encontrar as estações e ter bateria no smartphone suficiente para o aplicativo autorizar a retirada da bike. Na devolução, basta encaixar a bike na estação, em qualquer vaga livre, sem fazer mais nada.


– DAS BIKES –
As bicicletas são padronizadas, de cor laranja, com uma cestinha plástica, paralamas grandes, assento macio, campainha, retrovisor esquerdo, pezinho de apoio e câmbio dianteiro de 3 marchas.

Agora, as minhas considerações…
A cestinha poderia ser maior, pois só cabe minha mochila quando ela está vazia.
Os paralamas e protetor de corrente são acessórios muito bons em poças d’água e dias de chuva.
O assento é relativamente largo e confortável, próprio para uma bike de passeio.
A campainha não é ruim, é bem melhor que a da minha bike.
O retrovisor, quando ainda tem, É só de enfeite. Nem perca tempo ajustando, vai desajustar sozinho.
O pezinho de apoio, ajuda bastante, por exemplo, logo que você retira a bike da estação e ainda precisa mexer na mochila ou celular, por exemplo.
O câmbio quando está funcionando e regulado, faz a sua parte. Quem não está acostumado a pedalar, não sente falta das marchas mais altas. Já, quem está acostumado com 18, 21 marchas, vai se frustrar nas descidas e retas.

Basicamente, em relação à  bike, você sempre corre o risco de pegar uma com câmbio defeituoso.
E antes de retirar a bike é bom checar se os pneus estão calibrados. Alguns estão com a pressão baixa e a pedalada pode te cansar mais.


– DAS ESTAÇÕES –
As estações BikeSampa, seguem um padrão, com 12 vagas de bicicletas, um totem com informações gerais e nele, um visor de cristal lí­quido.
Porém, é comum encontrar estações desligadas ou informando que estão offline. Portanto, mesmo que contenham bicicletas, elas não podem ser retiradas. Vide foto que abre esta postagem, com 12 bikes travadas.
Não sei como funciona a rotatividade das bicicletas nas estações, mas há o problema de você não encontrar bicicletas nas estações a seu redor, ou durante o seu trajeto. Nem sempre é possí­vel, mas é bom verificar a disponibilidade/quantidade de bicicletas nas estações próximas. Já aconteceu comigo de disputar a última bicicleta com outra pessoa.
Existe o risco ao contrário, onde cheguei no destino e a estação estava cheia. Tive que dar meia-volta até uma outra estação e voltar ao meu destino a pé.


Depois de experimentar o BikeSampa, deixo minha opinião a quem interessar:
-PRÓS
Uso gratuito por 1 hora;
Para quem não tem bicicleta, uma ótima opção;
Não necessita gastar tempo/dinheiro com manutenção;
Não precisa se preocupar com roubos;
Não precisa se preocupar com estacionamento.

-CONTRAS
A bicicleta pode estar com algum defeito, penu murcho ou desregulada;
A estação pode estar sem bikes;
A estação pode estar offline/inoperante;
A estação poderá estar lotada, sem vagas para devolução;
Só existem estações nas regiões próximas ao centro;
É preciso sempre sair com antecedência, pois os imprevistos que citei podem ocorrer a qualquer momento.


Concluindo, pedalar a própria bike não tem preço.
Para mim, o serviço quebra um galho.
Hoje, só recorro ao BikeSampa, em emergências, como nesta semana que minha Kona ficou na oficina.
Recomendo o serviço para passeios e compromissos casuais.