Como diariamente testemunho ações hostis a ciclistas, quando tiver tempo contarei aqui algumas ocorrências que vivi.

Voltando do trabalho hoje, eu seguia pela ciclovia num trecho que liga a Vila Clementino a Vila Mariana.
Porém havia um carro parado bem em cima da Ciclofaixa. Até aí­, tudo bem, pois parecia que os ocupantes estavam se despedindo. Parecia que eles logo sairiam dali. Tento usar o bom senso sempre e por isso nem me incomodei com isso.

Em frações de segundo, eu vi 3 opções para continuar meu percurso:
1. Aguardar atrás do carro parado e esperar ele sair.
2. Contornar subindo na calçada.
3. Contornar pedalando pela faixa dos veí­culos.

Explico:
1. Eu já estava em movimento e não sabia QUANTO TEMPO teria que esperar.
2. Notei que havia 1 PEDESTRE passando ali e o bom senso me manda passar longe dos pedestres.
3. A melhor opç˜o me pareceu ir pela rua, que estava VA-ZI-A.

Tive que desviar do carro indo para o meio da rua (não era na contra-mão), quando ouvi um:
Pedala na ciclovia!!!

Achei estranho a reclamação do pedestre, um rapaz aparentando uns 40 anos, que caminhava com fones-de-ouvido, camiseta e bermuda.
Voltei, fui em direção à  ele e perguntei, com intenção de me explicar ou pedir desculpas:
-Oi?!?
PEDALA NA CICLOVIA!!!
-Mas amigo, tem um carro parado nela… (E apontei para o veí­culo a 3 metros de nós)
FODA-SE!!! RESOLVE COM ELE!
-Mmm… Foda-se você, então. (Mostrei o dedo e fui embora)

Desisti do diálogo a partir do momento que ele não tinha argumentos e partiu para o palavrão.
Não sou de soltar palavrões, mas “por educação” ajustei a conversa para o nível dele.

Esse é apenas um exemplo de cidadão que encontro diariamente durante minhas pedaladas para ir e voltar do trabalho.
Pessoas frustradas, descontando sua raiva em ciclistas, infelizmente.

Vamo-que-vamo!